Carnaval 2018

Salgueiro celebra a força das mulheres negras

Jornal do Brasil

A Acadêmicos do Salgueiro, quarta a entrar na avenida no segundo dia de desfiles do Grupo Especial, prestou uma homenagem às mulheres negras com o enredo "Senhoras do ventre do mundo", de Alex de Souza. 

O desfile representou rainhas, guerreiras, revolucionárias, escritoras, mucamas, mães e artistas, e ainda tocando em temas atuais, como racismo e misoginia

O desfile começou explorando aspectos espirituais e científicos, representando o início da civilização na África. Em seguida, contou a história das mulheres negras como regentes, divindades, civilização egípcia, grandes guerreiras e generais na África e no Brasil.  

Depois, explorou a parte espiritual, através de cultos africanos. No fim, uma homenagem celebrou as mulheres que fizeram a história do Salgueiro.

Salgueiro celebra a força das mulheres negras na avenida. Foto: Gabriel Monteiro, Raphael David, Paulo Portilho, Gabriel Nascimento | Riotur

Clique para ver mais fotos

Leia o samba:

Senhoras do ventre do mundo inteiro

A luz no caminho do meu Salgueiro

A me guiar, vermelha inspiração

Faz misturar ao branco nesse chão

Na força do seu ritual sagrado

Riqueza ancestral

Deusa raiz africana

Bendita ela é e traz no axé um canto de amor

Magia pra quem tem fé

Na gira que me criou

É mãe, é mulher, a mão guardiã

Calor que afaga, poder que assola

No Vale do Nilo, a luz da manhã

A filha de Zambi nas terras de Angola

Guerreira feiticeira general contra o invasor

A dona dos saberes confirmando seu valor

Ecoou no Quariterê

O sangue é malê em São Salvador

Oh matriarca desse cafundó

A preta que me faz um cafuné

Ama de leite do senhor

A tia que me ensinou a comer doce na colher

A benção mãe baiana rezadeira

Em minha vida seu legado de amor

Liberdade é resistência

E a luz da consciência

A alma não tem cor

Firma o tambor pra rainha do terreiro

É negritude, Salgueiro

Herança que vem de lá

Na ginga que faz esse povo sambar