Coisas da Política

O DEM vai à luta

Jornal do Brasil
Coisas da Política
Tereza Cruvinel

Aos trancos, o jogo sucessório vai se armando. Quem toca o tabuleiro hoje é o partido Democratas, lançando a  candidatura do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que será mantida pelo menos até  julho. Se ele deslanchar, será candidato.  Se não, haverá tempo para composições.  Temer e Geraldo Alckmin perdem com a jogada do DEM. 

Maia rejeita o selo de candidato governista,  embora tenha sido ator tão relevante para o  impeachment e a sustentação de Temer,  inclusive na batalha contra as duas denúncias. Agora,  ele diz que  defender o governo “seria defender o passado, e não o futuro”.  O passado inclui o desgaste com o impeachment, que para boa parte dos brasileiros foi um golpe,  as dores da recessão e do desemprego,  que já haviam começado mas se agravaram,  e  reformas impopulares, como a trabalhista e a falecida previdenciária.   Maia e o DEM lançam hoje um programa liberal mas com pitadas de preocupação social.  Se o eleitorado será convencido do “aggiornamento” são outros 500. 

Ele acerta ao se descolar do governo, onde só Temer e os chegados enxergam chances para um candidato de continuidade.  Apesar da impopularidade abissal, com a intervenção no Rio Temer passou cogitar a reeleição. Agora, enfrentando dois inquéritos e a quebra do sigilo bancário, e quem sabe uma terceira denúncia, poderá, no máximo, patrocinar Henrique Meirelles,  a quem o MDB oferece a legenda mas garante apenas uma  “experimentação eleitoral”, como a que Maia fará. 

Alckmin também perde porque, se Maia emplacar,  não contará com o aliado histórico , a quem vinha oferecendo a vaga de vice. O DEM lhe daria palanque  em estados onde terá candidato  a governador, especialmente no Nordeste, e mais algum tempo de televisão.   O tucano já perdeu o PSB e conta, por ora, com o PSD e talvez com o PPS.  Maia diz duvidar das chances de Alckmin e justifica a própria candidatura como alternativa à polarização PT-PSDB, que já teria cansado o eleitorado.   Prevê uma vitória da esquerda (Lula/PT ou Ciro Gomes) se a centro-direita não apresentar um nome competitivo.   Que poderia ser o dele, embora sua pontuação máxima nas pesquisas tenha sido 1,4%. 

No mais, festa e foguetório na convenção de hoje, que será prestigiada por presidentes de partidos como SD, PR,PRB e PP. O deste último pode até declarar apoio à candidatura.  ACM Neto assumirá a presidência do DEM e uns 12 deputados vão se filiar.  Segue o baile.

ALÉM DA PARANOIA 

Lula é um dos nove ex-presidentes (ou vices) latino-americanos hoje condenados ou presos por corrupção.  Todos de centro-esquerda e de alguma forma contrários a interesses norte-americanos. Menções a esta coincidência são sempre desqualificadas como delírio conspiratório esquerdista.  O professor (UFPA) e ex-deputado petista Claudio Puty, em artigo na revista Fórum, contrapõe: é absoluto, entre nós, o desconhecimento sobre a Estratégia de Segurança Nacional,  documento periódico em que o governo americano define prioridades geopolíticas.  Na versão do governo Trump , a ênfase é no combate à corrupção em países da nossa região e na ameaça chinesa ao livre comércio.  Em discurso no mês passado, o secretário de Estado Rex Tillerson enalteceu as ações contra “inimigos” dos EUA: “nós temos uma série de iniciativas  e de programas de financiamento trabalhando diretamente com alguns países (...) para fortalecer os sistemas judiciários.  Avanços recentes no combate à corrupção na Guatemala, Peru, República Dominicana e Brasil ressaltam a importância de seu trato direto”. 

Ninguém desconhece a parceria da Lava Jato com autoridades dos Estados Unidos, o que não lhe tira méritos, mas não desmente o interesse americano.