Coisas da Política

O novo na praça

Jornal do Brasil
Coisas da Política
Tereza Cruvinel

Com Lula preso e fora do páreo,  o tucano Geraldo Alckmin e outros candidatos de direita empacados e  Ciro Gomes tamponado, como ele diz, pelo drama do PT,  Jair Bolsonaro nada de braçadas.  A candidatura do ex-presidente do STF Joaquim Barbosa pelo PSB pode finalmente tornar-se a variável tão buscada pelos caçadores do “novo”.  “Ele só não será candidato se não quiser, porque 98% dos problemas internos já foram superados”, garante o deputado Júlio Delgado, líder do PSB, ao qual Barbosa se filiou no dia 7.  Compreendendo isso, ontem o ex-deputado Aldo Rebelo anunciou sua desfiliação do partido,  onde passou sete meses tentando se viabilizar como alternativa.  Os mais entusiasmados com a candidatura de Barbosa sonham ainda com uma aliança que faria de Marina Silva sua vice. 

O nome dele estará entre os candidatos  testados pelo Datafolha na primeira pesquisa após a prisão do ex-presidente Lula, esperada para este final de semana.  Qualquer que seja seu desempenho inicial, o ânimo do PSB vem das pesquisas qualitativas  que algumas seções estaduais estão fazendo (como a gaúcha e a paulista).  “Nestes levantamentos a resposta ao nome dele é  altamente positiva mas muitos ainda não ligam o nome à pessoa. Imagine quando  o nome e a fotografia aparecerem juntos, evocando sua atuação como presidente do STF, seu rigor no julgamento do mensalão, sua posição corajosa contra o impeachment...As pessoas estão enojadas dos políticos, , querem alguém que represente uma nova ética e uma nova prática ”, diz Delgado.   

A discussão principal no PSB está vencida:  alguns segmentos defendiam que o partido se concentrasse na eleição de governadores e deputados mas prevaleceu o entendimento de que, por sua expressão, não deve  se ausentar de uma disputa presidencial tão crucial para a definição do futuro do país.  Por conta da comoção com a prisão de Lula, o líder  diz ter adiado o pronunciamento que faria na Câmara saudando a chegada de Barbosa ao partido.  “Foi uma semana triste, imprópria para este tipo de anúncio”. 

E a aliança com a Rede, com Marina na vaga de vice, tem futuro?  Delgado não descarta mas nega que já existam conversas neste sentido. Lembra que 2014, não tendo conseguido registrar em tempo a Rede,  Marina aliou-se a Eduardo Campos e tornou-se candidata a vice pelo PSB. Quando Campos morreu,  ocupou a cabeça de chapa. “Esta é uma história forte, que nos aproxima e pode resultar numa nova aliança mas não vamos nos antecipar.   Estamos abertos a discutir alianças, desde que programáticas e coerentes”. 

A candidatura de Marina é competitiva, ela tem se mantido em terceiro lugar nas pesquisas mas enfrenta dificuldades que  dão sentido a uma eventual aliança.  A Rede terá menos de um minuto de tempo de televisão e sua cota do fundo eleitoral será ínfima.

SUJOS E MAL LAVADOS 

Nada mais irônico que o tema da Cúpula das Américas que começa hoje em Lima, a colaboração regional no combate à corrupção.  Pois mesmo tendo Donald Trump desistido de comparecer (ocupado em planejar um ataque à Síria), a reunião será uma espécie de cúpula de governos corruptos.  Começando pelo Brasil, cujo presidente estava ontem reunido com advogados, após a revelação de que obras na casa de uma filha foram pagas em dinheiro vivo pela mulher do coronel Lima, a quem a JBS diz ter entregado recursos destinados a Temer.  O anfitrião peruano, Martín Vizcarra, tomou posse em março,  depois da renúncia de  Pedro Pablo Kucinski, acusado de receber propina da Odebrecht. Pelo mesmo motivo, o vice-presidente do Equador, Jorge Glas, foi condenado e preso. O colombiano Juan Manuel Santos está sendo investigado pela suspeita de ter tido sua campanha financiada pela empreiteira brasileira. Dificilmente será levada a sério, pelo mundo, a Carta de Lima que pretendem assinar.