Jornal do Brasil

Heloisa Tolipan

Sarah Oliveira estreia websérie sobre histórias de amor: "Ato revolucionário"

Da TV diretamente para o Youtube...

Jornal do Brasil

Em 1988, Cazuza já nos dizia que somos nós os autores dos nossos próprios amores. Hoje, Sarah Oliveira traduz a ideia em sua primeira websérie batizada de “O Nosso Amor A Gente Inventa”. Durante seis semanas, às quintas-feiras, a apresentadora irá lançar em seu canal no YouTube um novo episódio sobre o projeto que visa contar histórias de amor e de paixão. Como personagens, Sarah tem pessoas comuns, descobertas pelo acaso, mas com grandes histórias de amor para contar. Animada com o novo projeto que marca a estreia da jornalista na plataforma virtual, ela conversou com a coluna e explicou a importância de celebrarmos os sentimentos verdadeiros neste momento de mudanças. “O amor é um ato revolucionário. Com essa websérie, a gente vai mostrar que histórias lindas existem em meio a esse mar de podridão que vivemos”, disse.

Estreante na plataforma, Sarah definiu a experiência no Youtube como super independente (Foto: Divulgação)
Estreante na plataforma, Sarah definiu a experiência no Youtube como super independente (Foto: Divulgação)

Criativa, talentosa e apaixonada, Sarah Oliveira contou que o novo projeto da carreira surgiu de forma espontânea. Segundo ela, nem a temática e nem o formato para o YouTube eram questões no momento da criação. “Um dia, eu estava ouvindo a música do Cazuza e tive a ideia de um programa que contasse histórias de amor. Mas foi muito natural. Eu sempre gostei de buscar histórias interessantes e de falar de amor, e esse projeto é uma união disso”, explicou Sarah que acredita que, mesmo de forma não intencional, falar sobre este assunto poderia ser uma necessidade interna. “Às vezes, dentro de mim, eu estava sentindo falta de produtos que abordassem esse tema. Mas não era uma vontade explícita, podia ser internalizada e subentendida, que ficou clara quando eu mergulhei nesta websérie”, disse.

Assim como falar de amor poderia ser uma necessidade intrínseca de Sarah Oliveira, ouvir essas histórias é um conforto para muitas pessoas. Em tempos de corações pulsantes no Whatsapp e emojis apaixonados por todos os lados, o sentimento verdadeiro parece estar cada vez mais superficial. Pelo menos em partes, como destacou a apresentadora. “Eu acho que hoje em dia é muito mais fácil falar ‘eu te amo’, mas isso não faz com que todas as declarações não sejam verdadeiras de fato. Existem diferentes maneiras de amar, de deixar de amar e de mostrar o sentimento”, analisou Sarah que se considera uma mulher de muitos amores. “No sentindo mais amplo da palavra, eu tenho diversas paixões, desde os meus amigos, meus irmãos, meus companheiros de trabalho ao meu amor. Desde que eu conheci o Thiago (Lopes, marido de Sarah), eu soube que ele era o homem da minha vida. A gente namorou, se separou, voltamos, nos casamos, tivemos filhos e estamos juntos até hoje”, lembrou.

Se para a apresentadora falar ‘eu te amo’ quando o sentimento é verdadeiro, é uma missão extremamente fácil, na websérie “O Nosso Amor A Gente Inventa”, Sarah Oliveira vai mostrar que nem todos vivem de forma tão intensa. Nos seis episódios desta primeira temporada, personagens plurais contam suas experiências de amor, que variam entre relações platônicas, à primeira vista etc. “São pessoas que eu conheci na rua e fui descobrindo histórias mega interessantes. Eu não conhecia nenhum dos personagens e foi um trabalho de feeling, em que, durante a conversa, fui achando relatos incríveis, como a mulher que tinha acabado de voltar do Vietnã por causa de um amor à primeira vista”, contou Sarah sobre o depoimento do primeiro episódio da websérie que foi ao ar na semana passada.

Para pôr esse projeto em prática, Sarah Oliveira tem a companhia de uma dupla que, junto com ela, foi responsável por diversos trabalhos na carreira da apresentadora. Com o clima de amor já nos bastidores, Vera Egito assina a direção da websérie e o irmão de Sarah Esmir Filho, a direção geral. “Desde quando eu comecei a fazer meus projetos independentes, meu irmão sempre foi um grande parceiro nas minhas ideias. A gente troca muito profissionalmente e ele me ajuda muito no trabalho. Um dia, ele convidou a Vera para trabalhar com a gente e, desde então, formamos um trio que está sempre junto”, contou.

Quando o assunto é televisão, Sarah Oliveira contou que tem um outro projeto pensado para a telinha. Porém, ainda em segredo. Longe da tevê desde o fim da segunda temporada de “Calada Noite”, no GNT, a apresentadora destacou a importância de não estacionar no tempo e nem na profissão. Mas, ao mesmo tempo, Sarah contou que não se cobra para estar sempre no ar ou inserida em grandes projetos. “Eu acho que manter a cabeça funcionando é o segredo de nossas vidas. Eu sou muito apaixonada pela comunicação audiovisual e pelo que eu faço. Porém, não tenho a vaidade de estar no ar em algum programa o tempo todo. Eu prefiro ficar um tempo afastada e produzir algo muito interessante a mergulhar em um projeto apenas para não ficar sem nada para fazer. Se não dá para eu seguir com um trabalho por causa de verba ou equipe, eu paro e continuo quando for possível. Fazer só por fazer não é a minha”, afirmou.

Com quase 20 anos de carreira, Sarah Oliveira acumula passagens pela Globo, GNT e MTV, onde começou a jornada profissional. Neste tempo, a apresentadora acredita que a televisão e a comunicação passaram por mudanças que, de certa forma, podem ter pulverizado as produções audiovisuais. “O espectador está ficando com cada vez mais autonomia para escolher o que quer assistir. Ninguém precisa mais ficar na frente da televisão e seguir determinada programação da emissora. Por isso, os aplicativos on demand estão crescendo tanto e ficando cada vez mais populares”, apontou.

Atenta às mudanças na profissão e com seu incansável fôlego para o trabalho, Sarah Oliveira afirmou que é possível se manter viva na carreira, mesmo com a crise que atinge o país. De acordo com ela, apesar de priorizar a qualidade e o engajamento dos trabalhos antes de aceitá-los, a conta no final do mês fecha em saldo positivo. “Eu faço diversos projetos por fora, freelas e ações paralelas. Nunca estou parada. Desde os meus 18 anos, eu trabalho o tempo todo e estou sempre em contato com novas oportunidades, sejam elas na televisão, em palestras ou em parcerias com empresas”, contou.