Jornal do Brasil

Heloisa Tolipan

Monica Iozzi fala sobre processo movido por Gilmar Mendes: "Não faço acordo"

A atriz e apresentadora contou que o ministro chegou a propor que ela se retratasse nas redes

Jornal do Brasil

Monica Iozzi repercutiu o processo movido contra ela pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes durante o programa "Conversa com Bial" dessa quarta-feira, 12. A atriz e apresentadora, que foi condenada a pagar uma multa de R$30 mil ao político, disse que ele chegou a propor um acordo para que ela se retratasse por seus comentários nas redes sociais e, assim, diminuísse o valor da indenização. "Ele me propôs alguns acordos porque a repercussão foi muito negativa para ele. Ele queria que eu tirasse o post que eu fiz e fizesse um novo post de retratação. Me desculpando pelo o que eu tinha feito e doasse 15 mil em cestas básicas para instituições de caridade de Brasília. Eu falei não. Eu não sou rica, isso não é nem de longe pouco dinheiro para mim, mas eu pensei 'eu não falei nada de errado. Eu vendo o meu apartamento, mas eu não vou fazer um acordo com esse homem'. Não é justo o que ele fez", disse.

Monica ainda tentou recorrer da decisão da justiça, mas não foi atendida. "A justificava do juiz que me condenou foi que me pegou, foi a seguinte: 'Monica Iozzi, como figura pública, tem de usar sua liberdade de expressão com responsabilidade'. A palavra 'liberdade' já não deixa claro que você pode se expressar como quiser, a menos que esteja sendo preconceituoso, cometendo crime como racismo?", indagou ela, que foi além: "O ministro deu um habeas corpus para o médico Roger Abdelmassih, condenado há mais ou menos 200 anos de prisão porque teve 40 estupros comprovados. Eu, como mulher, aquilo me indignou de uma tal maneira e foi na mesma época que surgiram casos de estupros coletivos, então você vendo uma situação daquelas... Eu não me contive e fiz o post", explicou.

Monica Iozzi comentou o processo movido por Gilmar Mendes
Monica Iozzi comentou o processo movido por Gilmar Mendes

"Se é justo ou não o que ele (Gilmar Mendes) fez, que a Justiça decida, mas, assim, eu tenho direito, como cidadã, de questionar, sim, a decisão de um ministro. E na época, ele era presidente do Supremo", protestou.

Sempre bem-humorada, Monica brincou com a plateia: "Alguém me arruma um chapéu, uma sacolinha, porque assim, falar de Gilmar Mendes eu posso falar, mas eu acho que já podia começar a juntar algum dinheiro da plateia, porque caso eu seja processada novamente, eu já comecei uma vaquinha".