Jornal do Brasil

Heloisa Tolipan

"Já deixei de sair de casa algumas vezes por insegurança", desabafa Alice Wegmann

A atriz revelou, ainda, que chegou a desenvolver um transtorno alimentar

Karina Kuperman, Jornal do Brasil

Alice Wegmann ficou chocada com o caso de uma jovem de apenas 11 anos que cometeu suicídio por não gostar de seu corpo e resolveu fazer um desabafo na internet sobre seu próprio drama com a baixa autoestima que já teve. "Hoje no almoço, eu confessei pra um amigo o quanto odiava odiar meu corpo. Durante anos fiquei sem usar regata porque tinha horror aos meus ombros e braços largos - procurei vários nutricionistas, segui dietas da moda várias vezes e isso nunca me fez feliz. Fiz 8 anos de ginástica olímpica, treinava 7h por dia, minha estrutura obviamente é larga. Aos poucos, tenho aprendido a gostar disso", revelou ela, que foi além: "Mas já deixei de sair de casa algumas vezes por insegurança. Desde os 15 vivia de dieta, e isso num determinado momento acarretou num distúrbio alimentar", contou. 

Alice Wegmann
Alice Wegmann

"Aí eu fui aos poucos descobrindo a quantidade de amigos que passam pela mesma situação; conheço gente com bulimia, compulsão alimentar, anorexia e por aí vai. Esse não é um post pra falar sobre dietas. Esse é um post pra pedir um favor: se olhe no espelho e aprenda a se amar de verdade. não é tarefa fácil, eu sei - a indústria é tenebrosa e faz a gente lutar arduamente contra a 'imperfeição'. Mas o nosso corpo é a nossa história. E tem coisas na história que a gente não pode mudar. outras, sim... mas sempre com carinho e cuidado", disse a atriz, que está no sertão gravando "Onde nascem os fortes", em que viverá a irmã gêmea do personagem de Marco Pigossi. Além disso, Alice também já está reservada para "Orgulho e Paixão", próxima trama das 18hs.

A atriz destacou, ainda, a importância do feminismo na relação com o corpo. "O feminismo me ensina muito sobre amor próprio. E quero espalhar essa ideia pelo mundo porque acho que as mulheres precisam ser mais legais com elas mesmas. Rupi Kaur escreveu em seu livro: 'Todos nós nascemos bonitos, a grande tragédia é que nos convencem de que não somos'. Somos, sim. Todo mundo tem coisas boas dentro de si. Então que elas prevaleçam, sempre, a esses ideais superficiais. É importante se movimentar, procurar exercícios que te fazem bem - e buscar sempre se alimentar da forma mais natural possível. e se conectar com o agora, tentar alinhar mente e corpo, pra achar a paz. Eu queria ter dado um abraço nessa menina e corrido com ela na praia. nesse verão, do jeito que estiver, eu vou botar meu biquíni e mergulhar no mar. Espero encontrar vocês lá", disse.