Internacional

CIA: amante judia secreta do ex-rei da Jordânia foi morta por seu filho ilegítimo 

Sputnik

Uma recente desclassificação de documentos da CIA permitiu conhecer detalhes sobre a relação do ex-rei da Jordânia, de origem muçulmana, com a atriz judia Susan Cabot, um romance patrocinado por esse serviço de inteligência.

Essa história começou em abril de 1959, quando o monarca jordano, então com 24 anos, viajou para Los Angeles (Califórnia, EUA). Naquela época, "um chefe de Estado estrangeiro" estava "especialmente ansioso por companhia feminina" e solicitou que "fossem tomadas medidas adequadas para garantir uma visita satisfatória", segundo os relatórios disponíveis publicados pelo jornal USA Today.

O encontro foi organizado por Robert Maheu, um detetive privado e antigo agente do Departamento Federal de Investigação (FBI, sigla em inglês), que optou por Cabot, uma mulher de 32 anos também divorciada. Esse homem disse-lhe que "queremos que durma com ele", opção que a atriz rejeitou. Contudo, a mulher concordou em ir a uma festa onde conheceu Hussein e considerou o rei "realmente encantador".

Reencontro

Esse primeiro encontro foi tão prazeroso que o rei quis repetir a experiência nos dias seguintes que ia passar em Nova York. A CIA alugou uma casa em Long Island para Hussein, enquanto Susan Cabot se registrou sob um nome falso em um hotel da cidade.

Na mídia daquela época apareceram diferentes informações sobre essa relação e alguns meios de comunicação mencionavam que a origem de Cabot, cujo nome real era Harriet Shapiro, poderia causar problemas ao rei da Jordânia.

Uma relação duradoura

Em 1961, a atriz teve um filho, Timothy Scott Roman, e sempre se suspeitou que seu pai fosse o rei Hussein. Essa criança, que nasceu com nanismo e foi submetida a um tratamento com hormônios, matou sua mãe com uma barra metálica em dezembro de 1986.

Em 1961, a atriz teve um filho, Timothy Scott Roman, e sempre se suspeitou que seu pai fosse o rei Hussein

Durante o julgamento pelo crime, seu advogado revelou que a falecida recebia 1.500 dólares (R$ 4.810) por mês do Reino da Jordânia e se considerou que era uma pensão de paternidade de Hussein.

Hussein da Jordânia se casou quatro vezes e morreu de câncer em 1999. Abdullah II, filho de seu segundo matrimônio é o atual rei desse país.

>> Sputnik