Jornal do Brasil

Jazz

Sonny Rollins e Joe Lovano são destaques nos CDs indicados para o Grammy do jazz

Luiz Orlando Carneiro, Jornal do Brasil

Três virtuoses do piano de gerações diversas e estilos distintos — Chick Corea, Fred Hersch e Gerald Clayton — e dois gigantes do sax tenor — Sonny Rollins e Joe Lovano — foram os indicados (nominees) para o Grammy destinado ao melhor álbum de pequeno conjunto de jazz editado na última temporada (de setembro de 2010 a outubro último).

Os cinco CDs selecionados para a premiação nessa categoria do 54º Grammy (o vencedor será conhecido em fevereiro) foram anunciados na madrugada de quinta-feira, em Los Angeles, e são os seguintes: Bond: The Paris sessions (EmArcy/Decca), Gerald Clayton mais Justin Brown (bateria), Joe Sanders ( baixo); Forever (Concord), com o trio Chick Corea — Stanley Clarke (baixo) — Lenny White (bateria); Alone at The Vanguard (Palmetto), Fred Hersch solo; Bird songs (Blue Note), Joe Lovano Us Five, quinteto com Esperanza Spalding (baixo) e dois bateristas (Francisco Mela e Otis Brown III); Road shows, vol.2 (Doxy), registro parcial do concerto dos 80 anos de Sonny Rollins, em outubro do ano passado, no Beacon Theatre, ao lado de convidados ilustríssimos, como Ornette Coleman, Roy Haynes, Jim Hall e Roy Hargrove.

Lista inclui ainda pianistas Chick Corea, Fred Hersch e Gerald Clayton
Lista inclui ainda pianistas Chick Corea, Fred Hersch e Gerald Clayton

É verdade que há um sexto disco nesta lista, Timeline (Mack Avenue), do grupo fusionista Yellowjackets, à frente o tecladista Russell Ferrante e o saxofonista Bob Mintzer. Mas a escolha desse CD, no caso, é uma compensação pela extinção da categoria intitulada best contemporary jazz album — denominação aliás, a meu ver, idiota, inventada para rotular aquele tipo de jazz rock basicamente comercial, como se um Lovano ou um Clayton não fizessem contemporary jazz, mas old-fashioned jazz.

As categorias do Grammy destinadas ao Latin jazz foram também extintas. E, nesse caso, a compensação é evidente na seleção dos cinco melhores álbuns de large jazz ensembles (grandes conjuntos ou big bands).

Os cinco CDs indicados para disputar o Grammy nessa divisão foram os seguintes: The jazz ballad song book (Half Note), do trompetista Randy Brecker como solista da DR (Danish Radio) Big Band; The good feeling (Mack Avenue), da Christian McBride Big Band; Legacy (Mack Avenue), da Gerald Wilson Orchestra; 40 acres and a burro (Zoho), com o veterano pianista-compositor Arturo O’Farrill liderando a sua Afro Latin Jazz Orchestra; Alma adentro: The Puerto Rican songbook (Marsalis Music), com o quarteto do formidável sax alto Miguel Zenón, portorriquenho-novaiorquino, mais um noneto de palhetas conduzido por Guillermo Klein, recriando temática de Porto Rico.

Apesar da “compensação”, os álbuns que antigamente estariam na categoria Latin jazz merecem essa qualificação, por terem os bons predicados do jazz propriamente dito num contexto rítmico-temático de colorido caribenho. Sobretudo Alma adentro de Zenón, que Dan Ouelette, na Downbeat, aplaudiu com quatro estrelas, por ser top-notch jazz improvisation territory. Ou seja, território de improvisação jazzística de alto nível.

Melhores do ano da ‘Downbeat’

Na edição deste mês, a Downbeat publica a lista completa dos mais votados, pelos leitores, na 76ª eleição dos melhores do ano. Os principais vencedores foram o veteraníssimo pianista Ahmad Jamal, que ingressou no Hall of Fame — ainda vivo, o que é difícil — e a baixista-vocalista Esperanza Spalding, Jazz artist do ano — aos 27 anos, o que é ainda mais difícil. Jamal recebeu 573 votos, seguido de Pat Metheny (393) e Ron Carter (348). Na categoria Artista do Ano, Esperanza Spalding (369 votos) derrotou o vocalista Kurt Elling (354) e o mesmo Jamal (339).

Jazz album preferido pelos leitores da DB foi Brad Mehldau, live in Marciac (Nonesuch), com 351 votos, à frente de Keith Jarrett/Charlie Haden: Jasmine (ECM), 336, e de Joe Lovano Us Five, Bird songs (Blue Note), 300. Dentre os conjuntos de jazz, foi eleito, mais uma vez, o trio do pianista Keith Jarrett (516). A big band mais votada continuou a ser a de Maria Schneider (675).