Jornal do Brasil

Juventude de Fé

O Barata da sociedade e as baratas da favela 

Davison Coutinho*, Jornal do Brasil

O curta “Beco dos Pancados”, criado pelos jovens da Rede Coletiva da Rocinha, premiado no Cine Favela 2015, faz uma analogia do percurso de uma barata por um beco na comunidade mostrando diversos problemas presentes nas favelas do Rio de Janeiro. A barata do filme, e o barata da sociedade nos permitem comparar as desigualdades sociais e o contraste do preso pobre e do preso rico.

O preso por roubar galinha, morador da favela, que conviveu toda sua vida em uma comunidade loteada de baratas pelos becos e vielas, consequência da falta de saneamento causada por políticos corruptos, pela justiça corrompida e por  empresários baratas, não tem super-herói, nem advogado poderoso, e conta com a sorte para sobreviver em cárceres superlotados em um país onde a maior parte da população carcerária é formada por jovens, pobres e negros, que passam anos de sofrimento junto com suas famílias atrás das grades que não oferecem ressocialização a ninguém.

Já o preso Barata, acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa conviveu toda sua vida com luxo e riqueza, conquistando grandes patrimônio e por isso não ocupa esses cárceres superlotados, aliás é pouco o tempo que ocupa em um presidio, já que conta com a ajuda de um senhor que parece gostar muito de baratas e que pela terceira vez coloca o barata de volta na rua.

Enquanto baratas são soltas e retornam aos seus luxos, os favelados que convivem com as baratas e falta de saneamentocontinuam sofrendo as consequências causadas pelos esquemas de corrupção desses senhores, apoiados por uma justiça que criminaliza os pobres e protege os amigos, que saquearam o Rio de Janeiro e são os responsáveis pela falta de emprego, violência, falta de hospitais e todos problemas que atingem nossa cidade.

Se for verdade que a mulher do ministro Gilmar é sócia do advogado que pode ser amigo do bomba-relógio e defende Barata, está explicado que a justiça no Brasil só serve para criminalizar e prender os pobres, porque os presos bomba-relógio e baratas tem sempre um ministroamigo para defende-los.

As baratas da favela são definidas como insetos responsáveis por transmitir diversas doenças e são perigosas à saúde. E o Barata da sociedade vai pela mesma definição, sendo um ser ainda mais perigoso à nossa saúde. 

* Davison Coutinho, morador da Rocinha desde o nascimento. Bacharel em desenho industrial pela PUC-Rio, Mestre em Design pela PUC-Rio, membro da comissão de moradores da Rocinha, Vidigal e Chácara do Céu, professor, escritor, designer e liderança comunitária na Comunidade