Jornal do Brasil

Opinião

São Paulo de Maluf, Jânio, Quércia e Adhemar: Quem será que não sabe votar?

Jornal do Brasil

São Paulo de Paulo Maluf, Jânio Quadros, Orestes Quércia e o consagrado Adhemar de Barros. Quem será que não sabe votar, os eleitores de São Paulo ou do resto do Brasil? São Paulo consagrou Maluf governador uma vez e prefeito outras duas; Quércia foi vice e governador, e deixou lugar para o sucessor Luiz Antônio Fleury Filho. Já o renomado "rouba mas faz" Adhemar de Barros foi eleito governador por duas vezes. 

O instituto de pesquisas Datafolha divulga nesta segunda-feira (4) um resultado surpreendente. 

O senador José Serra (PSDB) registrou 44,61% dos votos contra 55,39% de Lula na eleição presidencial de 2002 no Estado de São Paulo. Quando foi ministro da Saúde no governo de Fernando Henrique Cardoso, atribuiu tamanha importância para a pasta que, quando foi sucedido, o cargo foi ocupado apenas por renomados médicos. E Serra nem era médico, apenas revolucionou a Medicina pública, transformando, por exemplo, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) em um dos maiores hospitais do país no atendimento a essa doença, que hoje é segunda causa de mortes no País. O Inca foi referência em toda a gestão de Serra no Ministério da Saúde, e por mais alguns anos depois. 

Agora, Serra aparece em terceiro lugar em pesquisa para o governo de São Paulo. No cenário que considera a participação do senador tucano, o deputado federal Celso Russomanno (PRB) tem 27%, o presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (PMDB), 16%, e Serra tem 14%. José Serra também registra 40% de rejeição. 

Serra já foi prefeito e governador de São Paulo. As observações negativas que se fazem sobre o seu governo não o atingem moralmente. Na parte administrativa, é inquestionável a melhoria do Estado que já foi governado por Adhemar de Barros, Maluf, Quércia e outros que, se não governaram mal, não chegaram a ganhar destaque por qualquer tipo de liderança, como administradores ou políticos. 

São Paulo é realmente um estado diferente, um estado que rejeitou o trabalhismo, onde Getúlio Vargas, líder nacional durante mais de duas décadas, tinha seu maior rival, Adhemar de Barros, conhecido pela frase "rouba mas faz". Outro político que se destacou em São Paulo, sempre muito bem votado pelos paulistas, foi o nazi-fascista Plínio Salgado, que fundou e liderou a Ação Integralista Brasileira.

São Paulo foi um importante produtor de café, que representava 60% da balança comercial brasileira. Hoje, tem como líder da Fiesp um representante da indústria que foi presidente do sindicato do setor de tecidos.