Jornal do Brasil

País

Hospitais de SP têm mais de cem pacientes que não sabem quem são

Portal Terra

Um levantamento da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo apontou a existência de 117 pacientes não identificados em hospitais públicos e particulares do Estado. São pessoas achadas na rua desmaiadas ou com traumatismos na cabeça. A maioria é idosa e há a suspeita de que alguns fossem moradores de rua. Em alguns dos casos, há a suspeita de que as pessoas tenham sido abandonadas pela própria família. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Geralmente, os pacientes “sem nome” são levados a prontos-socorros e, após alta, transferidos para hospitais que internam por um período mais longo pacientes crônicos - com sequelas de um derrame, por exemplo. No hospital do Jaçanã, ligado à Santa Casa, entre os atuais 403 pacientes, 20 foram recebidos sem RG.

Alguns estão acamados e requerem cuidados contínuos. Outros, porém, já poderiam ir para casa - se soubessem onde ela fica. Entre os internados no hospital do Jaçanã está Maria Mudinha, nome dado a uma idosa, debilitada, ao dar entrada no hospital há quatro anos. Em 2012, ela balbuciou o que as enfermeiras suspeitam ser seu nome: Dalva.

Como ela, outros 636 pacientes foram internados em hospitais sem identificação. De lá pra cá, a maioria teve alta ou acabou morrendo, como indigente.

Diante dos “sem nome”, os hospitais passaram a pedir na Justiça a chamada certidão de nascimento tardia. "É dar uma maior dignidade à pessoa", diz Sandra Bin Dias, assistente social do Hospital Auxiliar de Suzano, do HC de São Paulo.

Foi o que aconteceu com Pinguim, internado há 31 anos no Centro de Reabilitação de Casa Branca, hospital no interior paulista. Com dificuldades na fala, só sabia dizer o próprio apelido. Com a nova certidão de nascimento, ele passou a ser Luis Antônio Pinguim Figueiredo. Luis era o nome de um amigo seu, motorista do hospital. Antônio, o de outro motorista. E Figueiredo, o sobrenome de uma funcionária.