Jornal do Brasil

Rio

Piscinão da Praça da Bandeira é inaugurado

O reservatório tem 35 metros de diâmetro e 20 metros de profundidade

Agência Brasil

O primeiro dos cinco piscinões que vão conter alagamentos na região da Grande Tijuca foi inaugurado hoje (29) pela prefeitura. O reservatório da Praça da Bandeira terá 35 metros (m) de diâmetro e 20m de profundidade útil, com capacidade de armazenar 18 milhões de litros de água. No entanto, de acordo com a prefeitura, o problema das enchentes na região só será resolvido em 2015, quando todos os piscinões estiverem concluídos.

"Esse piscinão já começa a minimizar o problema, mas se tiver uma chuva muito forte nesse verão, a Praça da Bandeira ainda está sob risco de alagamento. Estamos fazendo os outros piscinões, esperamos solucionar isso o mais rápido possível, mas esse sozinho não resolve o problema", disse o prefeito Eduardo Paes. "Acho que o verão entre 2015 e 2016 já vai ser muito melhor".

Interior do Piscinão da Praça da Bandeira
Interior do Piscinão da Praça da Bandeira

Outros quatro reservatórios estão sendo construídos nas praças Vanhargem e Niterói, na Rua Heitor Beltrão e no Alto Grajaú, sendo que os dois últimos ainda estão em fase final de desapropriações do terreno. O da Praça Niterói deve ser o segundo a ficar pronto e será o maior deles, com capacidade para 70 milhões de litros de água.

De acordo com o secretário municipal de obras, Alexandre Pinto, foram executados até o momento 30% dos R$ 292 milhões em que foram orçadas as intervenções, que enfrentam dificuldades impostas pela área urbana: "Eu tinha intenção de acabar com essa obra em 2014, mas não vou conseguir porque são muitos os problemas que a gente encontra. O maior deles é o subsolo congestionado com redes de concessionárias. Há também o trânsito: para tirar caminhões de terra, temos que conseguir com a CET-Rio o momento certo para impactar menos o trânsito. Nos outros reservatórios, a gente quer escavar à noite, mas tem problemas com a vizinhança. Isso tudo impacta no nosso desejo de terminar o mais rápido possível as obras", explicou Pinto.

A água que o reservatório vai acumular nos dias de chuva será gradualmente despejada no Rio Trapicheiros, seguindo para a Baía de Guanabara. Hoje, o prefeito acionou pela primeira vez as bombas, simulação que gastou o equivalente a três caminhões-pipa de água.

Além dos reservatórios, que serão controlados pelo Centro de Operações da prefeitura do Rio, as obras na Grande Tijuca também incluem o desvio do Rio Joana, para criar um segundo deságue das águas na Baía de Guanabara. O piscinão da Praça da Bandeira acumulará apenas água da drenagem local, enquanto os demais vão armazenar o excesso dos rios Joana, Maracanã, Trapicheiros e Jacó.

As obras contam com recursos da prefeitura e do governo federal, que investiu no projeto por meio do Ministério das Cidades.