Jornal do Brasil

Sol Maior

Harpas com público recorde de 20 mil pessoas

Maria Luiza Nobre, Jornal do Brasil

Semana bem movimentada e para alegria geral, com a prata da casa, brilhando como sempre devia ser feito. Festival Internacional de instrumentos angelicais termina com público recorde, evento em lugar charmoso e de paz em Botafogo, orquestras, solistas, jazz no mais aconchegante palco da cidade. Voltaram os enigmas e para saber e descobrir todos, basta clicar na foto abaixo e ouvir o melhor da música clássica, e depois é só escolher os concertos e fazer a agenda. Boa semana! 

XII Rio Harp Festival

Com um público registrado de mais de mais de 20 mil pessoas, encerrou no Rio de Janeiro a edição 2017 do Festival Internacional de Harpas, criado e realizado pelo projeto Música no Museu. Durante o mês de maio a cidade torna-se, a cada ano, a capital da harpa no mundo, com um total de 120 concertos , de 3 a 5 apresentações diárias nos mais diversos museus e pontos turísticos da cidade e contou com a participação de 100 músicos, sendo 42 harpistas de 24 países e mais um encerramento internacional com concertos em cidades em Portugal e Espanha.

Além do Rio, outras cidades brasileiras entraram no circuito do festival, que cresce a cada edição, confirmando a potência de um dos mais delicados e antigos instrumentos musicais. Talvez seja questão de tempo para que, assim como a série Música no Museu, possa atingir todo o Brasil. 

Os concertos que obtiveram maiores destaques foram o Trio Kagurazaka, do Japão, o Duo Enrico Euron-Anne Gaelle, da Italia, o Harper Duo, Fabiola Harper e Cesar Moya, do Chile, o Trio Artemisa, da França Duo Elisabeth Remy Jonhson e Dale Henderson, EUA além dos harpistas Athy, Argentina, Yerko Loca, da Espanha, Amy Mcallister, da Irlanda e Edith Gaseiger, da Áustria.

O festival teve um público muito eclético e curioso, e uma lotação inédita, em muitas sessões esgotadas, além de apresentar todos os tipos de harpas, as clássicas tocadas nas orquestras, célticas, a japonesa koto, indianas,a africana kora, paraguaia, colombiana, elétrica, llhanera e até a de cristal do harpista Athy e única no mundo, tocadas de formas distintas, em pé, sentadas no chão, assim como foram ouvidos ritmos desde o barroco e clássico até o heavy metal passando pelo samba, chorinho, ritmos latino-americanos, irlandeses, rock, jazz, tango e fado.  

Também a participação de orquestras de projetos sociais cariocas, como a Camerata do Uerê, Coletivo Músicos da Baixada, e o Conjunto de  Violoncelos da Ação Social pela Música, que subiram ao palco com estrelas nacionais internacionais.

Os locais dos concertos foram também uma atração turística, uma vez que foram realizados nos cartões postais da cidade, como  o Corcovado, Jockey Club, Iate Clube, Ilha Fiscal e os centros culturais como Centro Cultural Banco do Brasil, Centro Cultural Justiça Federal, Museu do Exército e a Biblioteca Nacional, e a surpresa da edição deste ano que também incluiu o AquaRio.  Aguardamos a edição 2018!

SALA I

A Sala Cecília Meireles apresenta no dia 2, às 20h , a Camerata SESI, e como solistas a violinista  Gabriela Queiroz e o pianista Aleyson Scopel, sob a regência de Leonardo David. No programa, duas obras de Felix Mendelssohn, a Sinfonia para Cordas n. 7 em Ré Menor, e o Concerto para Violino, Piano e Cordas, em Ré Menor.

Ingressos e informações: 2332-9223 e 2332-9224

Sala Cecília Meireles

Largo da Lapa, 47 -  Centro

SALA II

Kiko Horta e Marcelo Caldi, com a Orquestra de Sopros Pro Arte, são os convidados da Série Jazz da Sala Cecília Meireles, onde estarão no palco dia 3, às 20h, com um programa voltado para a raiz nordestina da música brasileira.

Ingressos e informações: 2332-9223 e 2332-9224

Sala Cecília Meireles

Largo da Lapa, 47 -  Centro

SALA III

A pianista Paula da Mata faz recital dia 6, às 18h30, na Sala Guiomar Novaes, um espaço da Sala Cecília Meireles. Paula estudou com o célebre pianista e professor Menahem Pressler na Indiana University, Estados Unidos, e recebeu orientação do pianista Pavel Gililov, no curso de Especialização em piano na Hochschule für Musik Köln, Alemanha. Atualmente é professora da Escola de Música da UFRJ.

No programa obras de Leopoldo Miguez, Alberto Nepomuceno, Frédéric Chopin e Franz Liszt.

Ingressos e informações: 2332-9223 e 2332-9224

Sala Cecília Meireles

Largo da Lapa, 47 -  Centro

SALA IV

A Sala Cecília Meireles será palco, dia 4, às 17h, da Homenagem aos músicos da Orquestra Sinfônica Brasileira com a regência de Roberto Tibiriçá. No programa serão executadas obras que constaram do primeiro concerto da orquestra em 1940 e uma obra do compositor brasileiro Carlos Gomes, além da Sinfonia “Novo Mundo” de A.Dvorak.

A renda será inteiramente doada aos músicos da orquestra,assim como  haverá uma urna para recolher doações.

Ingressos e informações: 2332-9223 e 2332-9224

Sala Cecília Meireles

Largo da Lapa, 47 -  Centro

ORQUESTRA SINFÔNICA CESGRANRIO

A Orquestra Sinfônica Cesgranrio faz concerto dia 4, às 17h, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com a regência  de Eder Paolozzi e como solista a soprano Camila Titinger, que estreará no palco mais importante da cidade, interpretando obras de Heitor Villa-Lobos.

A Fundação Cesgranrio criou a Orquestra Sinfônica Cesgranrio, projeto que oferece formação musical e artística e proporciona o desenvolvimento pessoal além de criar oportunidades de profissionalização para jovens músicos. O programa será dedicado ao compositor H.Villa-Lobos.

Bilheteria do Teatro Municipal do Rio de Janeiro: Praça Floriano, s/nº - Cinelândia - Centro - Rio de Janeiro

Ingressos e informações: 2332-9191

Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Praça Marechal Floriano, S/N - Cinelândia

SÉRIE INSTRUMENTAL

A Série Instrumental Nova Vida, é um  Talk Show conduzido pelo músico, produtor e compositor Teo Lima e na próxima edição terá como convidado,

Dudu Viana Quarteto, formado por Bruno Migliari no baixo, Antônio Neves na Bateria e Diogo Gomes no Trompete & ALETIER JAZZ (AC – Sax e EWI, ANDRÉ RODRIGUES – Baixo, Rodrigo Dias – Bateria e Natan Gomes – Teclados.

Nos anos 70 e 80, sob a influência da rica produção musical brasileira da época, muitos músicos de qualidade tiveram seu despertar para a música.

Frutos deste período áureo da música brasileira, AC (saxofones e EWI) e André Rodrigues (contrabaixo) reúnem-se em 2013 para formarem  o grupo instrumental Atelier Jazz. Reunindo-se sempre com dois convidados, são formados quartetos com instrumentações diferentes, o que possibilitam grande variedade de interpretações.

AC e André Rodrigues, músicos e idealizadores do Projeto, conceberam o formato do ATELIER JAZZ, que consiste na apresentação musical de duas estéticas distintas, mas que interagem com um ponto comum, a improvisação.

Dudu Viana é músico, pianista e arranjador, compositor e produtor musical.

A abertura do evento, a apresentação do ?Grupo de louvor da ICNV Botafogo. O evento é com entrada franca e tem estacionamento no local.

Informações: 2541-0922

Igreja Cristã Nova Vida

Rua General Polidoro, 165 - Botafogo

Dica da semana - O belo Trio Gypsy de Haydn