Jornal do Brasil

Comunidade em pauta

50° Festival de Brasília consagra o filme "Chico"

Walmyr Junior, Jornal do Brasil

Os diretores são os irmãos Carvalho, Marcos e Eduardo, formados em Cinema pela PUC-Rio com bolsa integral, através do ProUni. Moradores do Morro do Salgueiro na Tijuca, favelados na sua essência, os irmãos diretores levaram à tona da realidade periférica para as cenas do cinema. 

Chico é escrito, dirigido, produzido e estrelado por negros e/ou favelados do Rio de Janeiro. O filme é de baixíssimo orçamento, e em parte financiado por vaquinha coletiva na internet. O curta trata de uma série de questões que perpassam a vida de negros nas favelas cariocas, mas tem como foco principal a maternidade em cárcere, a perseguição do Estado através da Justiça e da polícia, e também a redução da maioridade que penal, que tramita no Congresso Nacional.

Chico rodou mais de 20 festivais brasileiros e já ganhou oito prêmios. Destaque para o 50º Troféu Margarida de Prata da CNBB - entregue também a grandes filmes como Central do Brasil, Edifício Master, Notícias de Uma Guerra Particular e Jango - e para os três prêmios no 50° Festival de Brasília, que consagrou o filme. 

50° Festival de Brasília consagra o filme "Chico"
50° Festival de Brasília consagra o filme "Chico"

O curta levou a melhor direção para os irmãos Carvalho e o melhor som para Gustavo Andrade. Além disso, o filme ganhou um prêmio especial pelo Canal Brasil, que considerou Chico o melhor filme.

O debate racial se tornou a tônica do Festival de Brasilia, que ainda contou, pela primeira vez na história, com um curta e também um longa dirigido por mulheres pretas na mostra competitiva. Ambas saíram premiadas. Somado ao Chico, outros filmes produzidos por pretas e pretos foram muito bem recebidos pelo público e pela crítica, e ainda faturaram diversos prêmios. 

Abaixo, sinopse do filme: 

"2029. Treze anos depois de um golpe de Estado no Brasil, crianças pobres, negras e faveladas são marcadas em seu nascimento com uma tornozeleira e têm suas vidas rastreadas por pressupor-se que elas irão, mais cedo ou mais tarde, entrar para o crime. Chico é mais uma dessas crianças. No aniversário dele, é aprovada a lei de ressocialização preventiva, que autoriza a prisão desses menores. O clima de festa dará espaço a uma separação dolorosa entre Chico e sua mãe, Nazaré."

* Walmyr Junior é morador de Marcílio Dias, no conjunto de favelas da Maré, é professor, membro do MNU e do Coletivo Enegrecer. Atuou como Conselheiro Nacional de Juventude (Conjuve). Integra a Pastoral Universitária da PUC-Rio. Representou a sociedade civil no encontro com o Papa Francisco no Theatro Municipal, durante a JMJ