Comunidade em pauta

Pra não dizer que não falei das flores

Mônica Francisco*, Jornal do Brasil
Comunidade em pauta

A semana caminha nesse início que mais parece continuação da anterior, já que a véspera do Natal aconteceu no domingo, e com aquela lentidão típica no jeito e no olhar de quem precisou voltar ao trabalho, ou para os mais desesperados, para a vida real pós comemorações, isso ficou ainda mais evidente.

A cinco dias da chegada do novo ano, ainda estamos ruminando o que foi 2017 e tudo aquilo que ele imprimiu à nossa trajetória e certamente contribuirá para nosso futuro.

O país assiste às idas e vindas das prisões de figurões das elites política e econômica, à reiteração da sentença de prisão em regime fechado de um catador promovido a terrorista e traficante, enquanto funcionários do serviço público de segurança alçam traficantes a popstar e seduzidos pelo brilho das câmeras dos celulares de último tipo, posam fagueiros para aquela self "histórica". 

A agonia das pessoas do Brasil real nos hospitais, postos de saúde e nas filas dos postos de entrega de medicamentos para doenças crônicas aumenta em níveis alarmantes em face de um Brasil oficial que corre ao primeiro Spa de luxo para "aliviar o stress e preservar a saúde".

A morte de cerca de mil pessoas pelas forças de segurança do estado não chamaram a atenção de quase ninguém no país onde se mata mais do que em áreas de conflito como a Síria por exemplo. Para além disso, vale ressaltar que quem morre é descartável, é pobre, é negro, é jovem e é invisível. 

De tudo isso já sabemos, mas sempre vale a pena lembrar, porque toda a vida importa.

Sigamos neste dias derradeiros de 2017 com a mesma força que nos trouxe até aqui. E para não dizer que não falei das flores (que adoro por sinal), neste túnel do tempo que tem sido 2017, com sensação de já vivermos isto ou aquilo, a notícia do JB impresso vem trazer boas memórias de grandes matérias e artigos sensacionais, que apelam à nossa memória afetiva, além de ser mais um canal de ampliação de postos de trabalho. Adelante!

* Colunista, Consultora na ONG Asplande e Membro da Rede de Instituições do Borel