Futebol & Cia.

Foi melhor assim

Jornal do Brasil
Futebol & Cia.
Renato Mauricio Prado

Assisti ao duelo entre França e Bélgica, tentando imaginar o que o Brasil teria sido capaz de fazer nessa semi-final, contra os franceses. Poderíamos ter vencido? Sim, porque em futebol tudo é possível, até a Coreia do Sul bater a Alemanha e desclassificá-la, na fase de grupos, como vimos agora, na Rússia. Mas, convenhamos, em condições normais de temperatura e pressão, creio que seria muito difícil a seleção de Tite passar pela de Didier Deschamps.

A equipe francesa é mais bem armada, tem um goleiro superior, conta com um meio-campo mais talentoso e, quando atacada, tem um contra-ataque mortal, com o velocíssimo Kylian Mbappé. Se Lukako fez o que fez, no primeiro tempo contra os brasileiros, nas quartas de final, me dá até um frio na espinha imaginar o jovem francês do Paris Saint-Germain caindo nas costas de Marcelo e sendo marcado pelo Fernandinho...

Ganhe quem ganhar a semi-final de hoje, entre Inglaterra e Croácia, considero a França favorita para levantar o caneco. E torço para que sejam os ingleses os seus adversários na grande final, pois teríamos um duelo de duas camisas de peso semelhante, cada uma com um título mundial já conquistado. Temo que, se os croatas passarem, apesar do talento de Modric, Mandzukic e Rakitic, seus companheiros acabarão sucumbindo já nos primeiros acordes da Marselhesa.

No jogo de ontem, o espetacular Mbappé, mesmo sem ter uma atuação brilhante, mostrou como é maldosa a avaliação de seus companheiros brasileiros Daniel Alves e Neymar, que dizem que sua única qualidade excepcional é a velocidade.

Num lance, no segundo tempo, na entrada da área belga, marcado por Kompany, o jovem francês rodopiou sobre a bola e fez um passe de calcanhar magistral, deixando Giroud frente a frente com Courtois. A sorte do goleiro é que o centroavante francês é tão ineficiente quanto foi, nesta Copa, Gabriel Jesus. Ele demorou a concluir e seu chute acabou bloqueado.

Já no primeiro tempo, Mbappé dera um passe precioso para o lateral Pavard concluir, também diante de Courtois. O goleiro salvou com o pé. E, uma vez mais, servindo o atrapalhado Giroud, o colocou em ótimas condições, mas o botinudo concluiu para fora.

Se os franceses ganharem a Copa e Mbappé fizer gol na final, acho que ele tem tudo para ser eleito o craque da competição e, com isso, disputar com boas chances a eleição de melhor jogador do mundo.

Tudo o que Neymar queria e não conseguiu.