País

Aloysio Nunes critica ex-chefes de Estado que pediram Lula livre na eleição

"Esses senhores pregam a violação do estado de direito" disse chanceler

Jornal do Brasil

O chanceler Aloysio Nunes divulgou nota pelo Itamaraty reagindo ao manifesto divulgado por ex-chefes de Estado europeus pedindo a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso, nas eleições presidenciais deste ano. O ministro classificou o gesto como "preconceituoso, arrogante e anacrônico" e disse ter recebido a iniciativa com "incredulidade".

"Ao sugerir que seja feita exceção ao ex-presidente Lula, esses senhores pregam a violação do estado de direito", afirma Nunes.

O ex-presidente francês François Hollande e cinco ex-chefes de governo europeus fizeram, ontem um pedido para que Lula, condenado por corrupção e preso desde abril, possa concorrer em liberdade às eleições de outubro. “Pedimos solenemente que o presidente Lula possa amanhã se apresentar livremente ao sufrágio do povo brasileiro”, escreveram os seis ex-líderes europeus. Além do socialista Hollande, assinaram o ex-primeiro-ministro socialista belga Elio Di Rupo, os ex-presidentes do Conselho italiano social-democratas Massimo d’Alema, Enrico Letta e Massimo Prodi, bem como o ex-chefe do governo espanhol, José Luis Rodriguez Zapatero.

"Ao sugerir que seja feita exceção ao ex-presidente Lula, esses senhores pregam a violação do estado de direito", afirma Nunes

>> Ex-líderes da Europa pedem Lula livre

Veja a nota de Aloysio Nunes:

Recebi, com incredulidade, as declarações de personalidades europeias que, tendo perdido audiência em casa, arrogam-se o direito de dar lições sobre o funcionamento do sistema judiciário brasileiro. Qualquer cidadão brasileiro que tenha sido condenado em órgão colegiado fica inabilitado a disputar eleições. Ao sugerir que seja feita exceção ao ex-presidente Lula, esses senhores pregam a violação do estado de direito. Fariam isto em seus próprios países? Mais do que escamotear a verdade, cometem um gesto preconceituoso, arrogante e anacrônico contra a sociedade brasileira e seu compromisso com a lei e as instituições democráticas.

Aloysio Nunes Ferreira

Ministro das Relações Exteriores